A Fotografia da Alma

 

 

Certo dia, meu coach, feliz, mostrou-me uma foto, tirada do seu celular, de um cadeirante praticando CrossFit. Passei algum tempo a contemplar aquela imagem. E, por incrível que pareça, aquela fotografia me marcou profundamente. Não porque eu sentisse tristeza pelo cadeirante, mas porque a foto me fez refletir sobre um assunto pertinente: as deficiências que podem ser vistas e as que não são identificadas a olho nu.

                Nós, seres humanos, infelizmente somos tendenciosos a nos compadecer quase exclusivamente daquilo que observamos com nossos olhos físicos, mas existem deficiências (se é que podemos falar assim) que só são notadas com os olhos do coração. E é por isso que pretendo fazer aqui um desabafo e um agradecimento, ou vice-versa.

                Em agosto de 2017, fui diagnosticada novamente (terceiro episódio) com depressão. Depois de quatro anos sem intercorrências, lá estava eu começando outra luta contra essa maldita doença. Desde então fazem parte do meu tratamento: a terapia medicamentosa, a terapia com psicólogo, a ajuda nutricional e o CrossFit. Da mesma maneira que o apoio familiar é de suma importância para quem luta contra a depressão, a modalidade citada entrou na minha vida como coadjuvante de peso na minha recuperação.

                O CrossFit, como esporte, promove descargas de hormônios do prazer e do bem-estar e, como era de se esperar, virou rotina na minha vida frequentar o box quase diariamente. Recordemos que quem tem depressão vive numa constante busca por bem-estar emocional. E como lugar de interação entre pessoas, fez com que me sentisse amada e importante. Mostrou-me que não sou apenas mais uma no mundo, assim como acreditava ser.

                Estou há bem pouco tempo (cerca de três meses) frequentando o box CrossFit Saurus e já me sinto como se fosse da família. Sim, família! Ao contrário de outras modalidades esportivas, de atividades em academias, no CrossFit são criados laços de verdadeiros irmãos, no sentido mais puro da palavra. Todos, a começar pelos coaches, tratam você como alguém capaz e sempre pronto a doar mais uma gotinha de suor. É um lugar onde não há caras feias que resistam. E por pior que seu humor esteja em determinado dia, alguém está sempre disposto a ofertar um sorriso.

                Só me resta agradecer à recepção calorosa, simpática e respeitosa que tive no box CrossFit Saurus, desde o agendamento da aula experimental até hoje e, acredito, perdurará por todo sempre. Aos coaches meu total respeito e admiração. Aos demais funcionários e amigos que fiz, todos fazem parte da minha recuperação e de muitos outros que não se sentem à vontade de dizer, mas também procuram ajuda nos boxes.

                Uma pena que não tenha descoberto o CrossFit antes! Lugar onde não há brigas de egos, muito menos competição para ver quem tem o corpo mais escultural. O CrossFit vai além do esporte. É um estilo de vida. Uma excelente opção para manter o corpo e as emoções equilibrados e saudáveis. Experimente essa sensação, assim como eu experimentei. Envolva-se com a simpatia e o entusiasmo da galera do CrossFit. Seja bem tratado, assim como eu fui. Sorria. Em um box de CrossFit, você jamais se sentirá triste. Seja feliz!

 

Share on Facebook
Please reload

Posts Em Destaque

Você é o que você come ou você come o que você é?

April 16, 2019

1/5
Please reload

Posts Recentes

December 14, 2018

December 6, 2018

December 4, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags